sexta-feira, 23 de agosto de 2013

Manta de Crochet / Crochet blanket




Com 600 gramas, muita cor para fazer lembrar o bom tempo, e muito “made with love”, esta é a minha primeira manta em crochet (leia-se, terminada!). Foi literalmente a minha terapia dos últimos meses, e será com certeza um conforto nos meses que se seguem, quando a brisa começar a esfriar e apetecer aninhar no sofá.

With 600 grams, many colors to remind me of Spring and Summer and a lot of “made with love”, this is my first crochet blanket (at least, the first one that I’ve finished!). it was literally like therapy to me, and I’m sure it will come as great comfort in the next months, when the breeze will turn a little bit colder and the only thing you want is to snuggle in the couch.

Alcagoita


quarta-feira, 21 de agosto de 2013

Mulheres do Crochet/ Crochet ladies.




Quando regressei do Minho, deparei-me com uma visão deliciosa; lado a lado, na casa de campo da minha família, a minha avó e a minha mãe no alpendre a fazer crochet no sol da tardinha.
A minha mãe está a fazer um casaquinho para pôr por cima dos vestidos, a minha avó embarcou na epopeia de fazer mais uma manta usando granny squares. Eu, por enquanto, devo-me virar para a costura, mas não deixo de me sentir um tanto ou quanto orgulhosa de saber que acima de tudo, somos e seremos sempre mulheres de crochet.

When I came from Minho, I had the most amazing sight when I saw my mother and grandmother, sitting on my family’s house porch both making crochet in the afternoon’s sun.
My mother is making a little jacket to use over dresses and my grandmother is on an epic journey to make a blanket with this granny squares. As for me I think I will turn into sewing for the next days but still I am so glad that above all, we are still crochet ladies.

Alcagoita

segunda-feira, 19 de agosto de 2013

Vintage Briefcase




O lixo de uns são os tesouros de outros. Esta frase tomou todo o sentido quando a minha irmã me resgatou esta mala em perfeito estado, em pele genuína, que estava junto a um ecoponto para ir para o lixo. Eu estou perdidamente apaixonada por ela! A qualidade é incrível, e nem sequer consigo imaginar quem é que deitaria isto fora. Mais uma peça para a minha colecção de peças resgatadas!

A man’s garbage is another man’s treasure. This sentence took a whole new sense to me after my sister rescued me this briefcase, in leather, in perfect state which was near a recycling bin to go to the trash. And I am profoundly in love with it! The quality is amazing, and I can’t even imagine who would throw this away. Another amazing piece for my collection of rescued goodies!


Alcagoita

quinta-feira, 15 de agosto de 2013

DIY: pauzinhos & restinhos de lã/ little sticks & wool leftovers










Quando acabei a manta, sobraram-me restinhos de linha que enrolei nos pauzinhos que encontrei espalhados por aqui. Acabou por resultar muito bem, e ficaram tão giros que quase que me apetecia emoldurar.

When I finished my blanket, I had some yarn leftovers so I just rolled them around little sticks I found here. It actually turned out great, and they look so cute that I just wanted to frame them.


Alcagoita

segunda-feira, 12 de agosto de 2013

A manta / The blanket



A sabedoria de quem sabe é algo fundamental nestas coisas do feito à mão. Não só a partilha de experiências como o próprio prazer de nos sentarmos com outras pessoas a discutir como fica melhor, e porque fica melhor. A avó do M. convenceu-me a rematar o bordo da manta, coisa que não ia fazer. No final, não podia ter ficado melhor. Agora falta rematar as pontas e já está!

Wisdom plays a very important role in these handmade things. Not only the sharing of one’s experience but also the pleasure it is to sit with another people discussing how things will look better, and why will they look better. M.’s granny convinced me to make a simple crochet stitch around the blanket and it couldn’t stay better. Now the only thing missing is to hide the extra strings and that’s it!


Alcagoita

sexta-feira, 9 de agosto de 2013

Kireei #4




A Kireei é sem dúvida a minha revista favorita, e quando saiu a última edição à uns meses atrás tive que me controlar para não a encomendar logo e esperar para vir de férias e comprá-la em Tui, Espanha, mesmo aqui ao lado na fronteira com Valença do Minho. E bem dito bem feito. 

No outro dia fomos fazer o passeio anual a Ponte de Lima, e dentro do saco ia a Kireei. Não vos consigo descrever o quão relaxante é estar ali deitada, na relva à beira do rio Lima a ler a minha revista favorita.

A revista contínua deliciosa, e cheia de pormenores que me deixam completamente satisfeita. Até agora gostei particularmente do tutorial para fazer uma pinhole funcional e de todos os artigos sobre artistas independentes, e o seu modo de encarar o seu trabalho e a influência que podem ter sobre o mundo actual. Verdadeiramente inspirador!

 E vocês? Qual é a vossa revista favorita? (:

Kireei is without a doubt my favorite magazine, and when the issue #4 came out a couple of months back I had to control myself to just don’t order it right away and wait for my holidays, where I would be near the frontier between Spain and Portugal and would be able to travel to Tui to purchase it. And that was what I did as soon as I got here.

The other day we went for our annual visit to Ponte de Lima and inside by tote there was my dear Kireei. I can’t describe to you how relaxing it was to just sit there in the grass near the river Lima reading my favorite magazine.

The magazine is still the cutest and the most delightful to read. Until now my favorite things are the tutorial for a functional pinhole camera and all the articles about independent crafters and their view of their work and the impact they bring to our world. Truly inspiring!

And how about you? What is your favorite magazine?


Alcagoita

quarta-feira, 7 de agosto de 2013

Dobar uma meada/ Making a yarn ball



Quando era mais nova e a minha bisavó estava viva, dobar as meadas era coisa para duas pessoas – a minha tia-avó, a minha avó ou a minha mãe faziam o novelo, eu e a minha bisavó segurávamos a meada com os braços e lá se ia desenrolando o fio. Com o passar do tempo, eu fui crescendo e aprendi a dobar as minhas meadas sozinha – numa cadeira ou até mesmo nos joelhos – e agora começo a perceber o prazer que é poder partilhar este momento, com as pessoas que gostamos.
Para o Minho trouxe duas meadas por dobar, uma amarela e uma laranja para adicionar a manta que está a crescer bem.~

When  I was younger and my great-grandmother was alive, making a yarn ball was a job for two persons – Usually my grandaunt, my granny or my mother made the yarn ball while me and my great-grandmother were the ones that hold the yarn. With time I eventually grew old and learned how to make my own yarn balls by myself – in a chair or even with the help of my knees – and now I start to understand the pleasure of sharing this moments with the people we love.
To my holidays in Minho I brought two pieces of yarn, one yellow and one orange to add to my granny blanket which is growing very fast.


Alcagoita

domingo, 4 de agosto de 2013