sexta-feira, 28 de fevereiro de 2014

The creative swap




Silvia from Barcelona was my partner in the creative swap organized by Ishtar and from her I got tea, a lovely letter and this amazing notebook which will be my watercolors notebook. Amazing work right? Thank you Silvia!

A Silvia de Barcelona foi a minha parceira na troca organizada pela Ishtar e a encomenda dela trazia chá, uma carta muito original e este caderno fantástico que vai ser o meu novo caderno para as aguarelas. Não acham o trabalho dela fantástico? Obrigada Silvia!


quinta-feira, 27 de fevereiro de 2014

Europe’s wild Men -NG












I am not a person whom celebrates Carnival but I’m truly amazed by this article onNational Geographic about European folk mask and costumes. Not only are the costumes breathtaking but also the history behind them grasps my breath – The folk, the celebration of life, death, nature and communion with all things around us. Beautiful. Just beautiful.

Netherless to say that the photographer Charles Fréger made an amazing job.

The Portuguese Carnival of Lazarim is on this article – definitely a must in my travelling list.



Não sou pessoa de celebrar o Carnaval mas fiquei completamente fascinada com este artigo da National Geographic sobre máscaras e trajes do folclore europeu. Não só a beleza destes trajes corta-me a respiração mas também a história por detrás da sua existência – o folclore, a celebração da vida, da morte, da natureza e da comunhão do homem com o meio. Lindo. Simplesmente lindo.

Escusado será dizer que o fotógrafo Charles Fréger fez um trabalho extraordinário.

As celebrações da aldeia de Lazarim também se encontram neste artigo – não conhecia, mas já está na minha lista de sítios a visitar.






quarta-feira, 26 de fevereiro de 2014

The first film/O primeiro rolo




My first film of the konstruktor camera turned out “awful” – I say “awful” because I like the result. The reason why the photos look like this is entire my fault – you see, being a self-learner this once happened to me – the film was misplaced in the camera but what I was really worried about was the fact that it might be badly assembled, which doesn’t look the case. Funny enough, when I showed the photos to a friend he also said he liked the result – we like to see ourselves, but sometimes we don’t like to be seen - sometimes the blurred reminder is just what we need.


O meu primeiro rolo da konstruktor ficou “horrível” – e digo “horrível” porque eu até gostei do resultado. As fotos ficaram assim inteiramente por culpa minha – é que ao aprender tudo sozinha, acabo por cometer alguns erros, entre eles colocar mal o filme na camara (o que deu este lindo resultado). O que mais me preocupava era ver se havia alguma coisa mal montada que deixa-se entrar luz mas por enquanto parece-me tudo bem. Achei piada quando mostrei as fotos a um amigo meu e ele também disse que até gostou do resultado – apesar de gostarmos de nos vermos nas fotos, por vezes não gostamos de ser vistos – nestes casos, a imagem distorcida é o suficiente para nos conseguirmos lembrar.


terça-feira, 25 de fevereiro de 2014

Buy something cheaper / Compra mais barato



I got into a huge fight yesterday.

The sentence “Buy something cheaper” is messing with my nerves. First of all I believe in two things – Respect and Sustainability – cheaper things usually mean they were made with no Respect for the people who made them and not thinking about Sustainability. I am not rich or anything and if I want something good I need to save some money to have it – but once I have it, I know it will stay with me longer. I admit this did not applied for a long time – I usually jumped the minute I saw something cheap until I realized I was buying things compulsively and discarding them as fast as I was buying them – no. I am tired of discarding things so fast and I’m tired of learning about the amount of waste we made and don’t do nothing about it. So I will NOT buy something cheaper. I’ll buy something good (or use something second-handed if that stops the amount of waste produced), I’ll learn about the manufactures, I’ll learn about the process and I will definitely pay a closer look on the materials.

For me, this is culture – to be a competent buyer and not get the first thing someone rubs in your face; understanding that all the decisions we make have consequences.

Ontem tive uma discussão enorme.

A frase “Compra qualquer coisa mais barata” está a mexer-me com os nervos. Eu acredito em duas coisas – respeito e sustentabilidade – comprar alguma coisa barata normalmente significa que foi feita sem nenhum respeito por quem a fez e sem pensar em sustentabilidade. Eu não sou rica nem nada que se pareça e se quero alguma coisa boa tenho que poupar dinheiro para a ter – mas assim que a tenho, sei que me vai durar muito mais tempo. Admito que durante muito tempo não pensei assim – assim que visse alguma coisa barata comprava logo (mesmo que às vezes não fosse bem aquilo que eu queria…) e acabava logo por a deitar fora tão rápido como a comprava (vamos ser sinceros, coisas mal feitas não são duráveis…). Não. Estou cansada de desfazer-me de coisas tão rápido e de passar a vida a ler sobre os problemas causados pelo excesso de lixo e continuar a produzi-lo de uma forma tão cínica. Portanto, eu NÃO vou comprar mais barato. Em vez disso vou comprar algo bom, vou olhar para os fabricantes, vou aprender como é que as coisas são feitas e definitivamente vou olhar para os materiais e como é que estes estão a ser utilizados.


Para mim isto é cultura – ser suficientemente competente para não comprar a primeira coisa que me esfregam na cara e perceber que as decisões que tomamos acarretam consequências.


segunda-feira, 24 de fevereiro de 2014

Seed stitch / Ponto Arroz



I’ve wanted to make something using the seed stitch for a while now and V.’s birthday was the perfect excuse.  This stitch is very easy and although I think it consumes more yarn the final result pays off. Also, this turned out to be a cowl and now this is my favorite stitch for cowls – it’s very soft and cozy and it gives a different look.


Há algum tempo que andava com vontade de fazer alguma coisa com ponto de arroz e o aniversário da V. foi a desculpa perfeita. Este ponto é muito fácil e apesar de achar que consome mais lã o resultado final faz valer tudo a pena. Esta gola ficou exactamente como queria e o ponto de arroz tornou-se um dos meus pontos favoritos para golas – é muito suave, confortável e acaba por dar um aspecto diferente.

sexta-feira, 21 de fevereiro de 2014

WIP: Violet Parfait




I’m trying to make this blouse as simple as possible – a rectangle in the front, a rectangle in the back and I am doing the sleeves the way D’s sisters does them – both at the same time in the same pair of circular needles, which means I don’t have to count rows to add stitches. Clever right?

I’m using the yarn I’ve talked in a previous post and other than being just perfect it is also very easy to work with.

A ideia desta blusa é ser o mais simples possível – um rectângulo para as costas, um rectângulo para a frente e estou a fazer as mangas da maneira que a irmã da D. faz – as duas ao mesmo tempo, no mesmo par de agulhas circulares o que significa que não tenho que contar filas para adicionar os pontos. Fácil não é?

Estou a usar a linha que falei neste post que para além de ser perfeita também é muito fácil de trabalhar.


quinta-feira, 20 de fevereiro de 2014

Animated Cinema/Cinema de animação.



I’ve said here I’m taking a course in animated cinema and I’ve been loving it so far – I can’t say I’m good at it but I am having lots of fun specially when we use the zoetrope. I’ve animated this yarn ball alone at home with the help of Miguel to make the gif image, trying to use some of the techniques I’ve learned – this small animation was made with ten drawings. The truth is animated cinema is a lot of work and I’m far from being good at it but that doesn’t mean I don’t have fun and one day hopefully will be able to produce some of the ideas I have on the back of my head.


Já aqui tinha dito que ando a tirar um curso em cinema de animação e até agora tenho adorado – não posso dizer que sou minimamente boa mas a verdade é que me tenho divertido imenso, especialmente quando utilizamos o zootrópio. Decidi animar este novelo para ver se conseguia por em prática algumas técnicas que aprendi, com a ajuda do Miguel para fazer o gif – esta pequena animação foi feita com 10 desenhos. A verdade é que o cinema de animação dá imenso trabalho e estou a ano luz de ser boa a fazê-lo o que não significa que me divirta bastante com isto e que um dia não consiga por em prática algumas ideias que tenho em mente.


quarta-feira, 19 de fevereiro de 2014

Uniforms / Fardas

… No comêço do inverno de 1917 foram distribuídos aos nossos soldados pelicos e ceifões alentejanos e certos janotas de trincheira consideravam-se o suprasumo de elegancia usarem os seus agasalhos com o pêlo de carneiro para fóra, o que lhes dava um especto curiosíssimo. A primeira vez que os boches [alemães] viram circular na sapa [trincheira] aqueles peludos adversários, o pasmo foi tal que todo o dia houve na beira oposta da cratera uma fileira de espectadores, até que um Fritz folgazão se lembrou de soltar um “Mê!” prolongado, que outros repetiram entre gargalhadas.
Vexado, um outro dos nosso foi contar o caso ao seu cabo, que, sem a menor hesitação, avançou pela sapa e, como os heroes da Iliada insultando-se sob os muros de Troia, brandou de mão na cinta ao boche que continuava a facécia:
 “-Carneiro será … … …. ” ” em “A malta das trincheiras” de André Brun.






On my first visit to the military museum in Santa Apolónia I fell in love with some of the details on the garments. This story in particular, tells us about the Portuguese soldiers using sheep fur in World War I.


Na minha primeira visita ao museu militar em Santa Apolónia apaixonei-me por alguns detalhes que encontrei nas fardas.  


terça-feira, 18 de fevereiro de 2014

The Glaze / O Vidrado




On the first phase of the workshop we’ve textured and shaped the pieces. Then we’ve obtained the bisque so it was time to work on the glaze. Since my smaller piece had so much texture on it I’ve applied the minimum glaze I would so that all the textures remained visible. Usually I like to see more textures than several colors in ceramic pieces so I ended up painting both with only one color: the smaller one is painted in old-pink (like the one you see in the middle of the sample tile) and the bigger one will have the blue you see in the blue sample tile. The only thing I wanted to do was to use a traditional type of green [see an example here] but I’ve already chosen the colors for my pieces. Now that I’ve learned how to work with ceramic I’m sure there won’t be much time until I do it again.

Because there were so many pieces and they needed to be put in the furnace in different times it will take time until I get my final pieces but I promise I’ll show here the result.

Na primeira fase do workshop texturamos e enformamos as peças. Depois de obtermos a chacota, foi altura de aplicar o vidrado. Como a minha peça mais pequena tem imensas texturas apliquei pouco vidrado para que as texturas continuem visíveis. Como gosto mais de ver texturas do que muitas cores na mesma peça, acabei por pintar as duas apenas com uma cor: a mais pequena em tons de rosa velho (que supostamente vai ficar igual ao do meio no azulejo da imagem) e a maior em tons de azul (como se vê no azulejo). A única coisa que fiquei com pena foi de não ter uma terceira peça para experimentar o verde caldas (aí está o meu lado Bordaliano a vir ao de cima) mas agora que sei fazer acredito que não há-de faltar muito até me apetecer fazer mais.

Ainda deve demorar até ter as peças terminadas mas quando as tiver prometo mostrar aqui.





segunda-feira, 17 de fevereiro de 2014

Rosários4 Ecotton




Thinking of a Spring that is yet to come I’ve decided I would start a cotton blouse. Some years ago my mom made a cotton blouse that I loved but sadly it weighted a lot – the problem with cotton is that compared to wool it weights a lot more and using a thick cotton blouse all day is a real piece of work. The cotton yarn Rosários4 Ecotton was my first choice for my blouse – I’m already a big fan of their brands Bio-wool and Re-use so it was time to experiment with this one. With a composition of 100% cotton and dyed with natural dyes this brands once again strikes directly to what I want  and believe – quality products, made and though has it should be that give a higher value to the consumer. I am using needles 6 to make this blouse because I want a light and slightly open pattern – the idea is to use it with something light underneath.

I bought this yarn here.

A pensar numa Primavera que se vê longe, decidi começar com blusas de algodão. Há muitos anos atrás a minha mãe fez-me uma blusa de algodão que eu adorava mas que infelizmente pesava imenso – é que o problema do algodão em relação à lã é que pesa muito mais e estar o dia inteiro com uma blusa “grossa” de algodão não é tarefa fácil. Foi assim que dei de caras com esta gama da Rosários4 Ecotton. Depois da bio-wool e da re-use me encherem as medidas, foi altura de experimentar este Ecotton. Com uma composição de 100% algodão e tingimentos naturais, mais uma vez esta marca vai de encontro a algo que quero e em que acredito – produtos de qualidade, feitos e pensados como deve ser que dão uma mais-valia para quem os está a comprar e usar. Estou a usar agulhas 6 porque quero que seja um modelo leve e relativamente aberto – a ideia é utilizar com as camisas ou uma blusa de algodão por baixo.

Comprei estes novelos aqui.




quinta-feira, 13 de fevereiro de 2014

Minho in tilt-shift / O Minho em tilt-shift


It’s been a hobby of mine for these past two years to photograph Minho in the Summer using the tilt-shift technique. The reasons are quite simple – I love tilt-shift and the way it transform landscapes into something model like and the region Minho with its mountains and high places becomes a perfect place to do so.  It is somewhat a perfect different way to capture some of our little tours in Minho/Galicia during the summer.

Tem sido um hobby meu nestes últimos dois anos fotografar o Minho no Verão utilizando a técnica do tilt-shift. As razões para isto são muito simples – Adoro o tilt-shift e as características montanhosas do Minho tornam-no perfeito para explorar esta técnica. Esta é uma forma diferente de guardar alguns momentos das nossas pequenas aventuras no Minho/Galiza durante o Verão.












Now I know I’m always talking here about my love for analogic cameras but I am very happy my digital camera allows me to make this effect without making it digitally on my computer. I love all of my cameras and for different reasons and this is probably one of the reasons I love my digital friend.

If you want to see tilt-shift short films in Lisbon go here and here.

Apesar de estar sempre aqui a falar do meu gosto por máquinas analógicas tenho que admitir que estou muito feliz com a minha câmara digital e que esta me permita fazer o tilt-shift sem ter que recorrer aos programas de tratamento de imagem. Adoro as minhas máquinas fotográficas todas por diferentes razões e esta técnica é uma das razões pelas quais adoro esta minha amiga digital.

Se quiserem ver algumas curtas-metragens feitas em Lisboa com a técnica do tilt-shift vão aqui e aqui.






quarta-feira, 12 de fevereiro de 2014

Carthamus Tinctorius



While watching this movie I’ve learned a little about safflower and I decided to investigate more. Safflower can be used to dye textiles and it is used to produce reds, pinks, yellows and other derivative colors. The plants have spikes so they must be caught with gloves but in the end you can achieve amazing results. Japan was one of the main countries whom used safflower to dye their textiles.

To learn how to dye with safflower go here and here.

Foi ao ver este filme que fiquei a conhecer esta planta (açafrão bastardo, penso que seja este o nome em português (?) ) e decidi investigar um bocadinho mais. O açafrão bastardo pode ser utilizado para tingir têxteis e normalmente é utilizado para criar cores vermelhas, rosas e amarelas. As plantas têm espinhos e têm que ser apanhadas com luvas mas no final podem-se obter resultados fantásticos. O Japão foi um dos principais países que usou o açafrão-bastardo para tingir os seus têxteis.

Se quiserem aprender a tingir têxteis com esta planta vão aqui e aqui.



terça-feira, 11 de fevereiro de 2014

The first photo/ A primeira fotografia



“Centuries of advances in chemistry and optics, including the invention of the camera obscura, set the stage for the world’s first photograph. In 1826, French scientist Joseph Nicéphore Niépce, took that photograph, titled View from the Window at Le Gras, at his family’s country home. Niépce produced his photo—a view of a courtyard and outbuildings seen from the house’s upstairs window—by exposing a bitumen-coated plate in a camera obscura for several hours on his windowsill.”  - National Geographic  


I have assigned to a course in animation cinema and I had my first class last Tuesday. In the beginning we’ve talked a little about the general concept of capturing pictures. I have never questioned myself about the first photograph ever taken (and  I still cannot believe this). Joseph Nicéphore Niépce took the concept of the camera obscura and turned it into a permanent way of capturing an image using a chemical process that reminded me of some concepts I’ve learnt in university. This was one of those simple things that turned into something great and originated the way of capturing images we use every day. And all this in less than 200 years.  



Inscrevi-me num curso de cinema de animação e tive a primeira aula na quinta-feira passada. No início falámos de tudo, inclusive do princípio da captação de imagem. Nunca me tinha perguntado (nem sei como) como terá sido a primeira fotografia alguma vez tirada. Joseph Nicéphore Niépce pegou no conceito da câmara obscura e torno-o capaz de permanentemente realizar uma imagem que ficaria para a posterioridade através de um processo químico que me fez relembrar alguns conceitos que aprendi na faculdade. Esta foi daquelas coisas simples que tornaram um pequeno passo num grande e que deram origem à captação de imagem que utilizamos todos os dias. E isto tudo em menos de 200 anos.



segunda-feira, 10 de fevereiro de 2014

And they are done / E estão feitas




Finally the leg warmers are finished a little after than I anticipated. The metallic needles were the biggest problem and I think from now on I will avoid them at max. At least now our legs are warm. The scheme is very easy and although it is for children it fits perfectly to all the ladies of the house.

The color mixture was my idea and I bought them at ArtiModa. The pattern is from Rosa Pomar.

Terminadas, um bocadinho depois do que estava à espera. As agulhas metálicas foram mesmo um problema e acho que as vou evitar ao máximo. Ao menos já andamos com as pernas quentinhas. O esquema é muito fácil e apesar de ser para criança serve perfeita mente aqui às meninas da casa.

A mistura das cores foi ideia minha e comprei o novelo na ArtiModa. O esquema é da Rosa Pomar.




sexta-feira, 7 de fevereiro de 2014

Counting sheep / Contar ovelhas




I’m quite proud if this one. After I’ve made the stripes on the socks I decided I wanted to knit again with two colors. I’ve decided to go with an idea I had on the back of my head for some time so I made a hat with a sheep pattern. I’ve done a little research in sheep patterns and I didn’t like any so I made my own.  I’ve worked in circular needles sizes 5 and 6.


Estou bastante orgulhosa deste gorro. Depois de ter feito as riscas nas meias decidi que queria fazer tricot com duas cores novamente. Decidi improvisar uma ideia que já tinha na cabeça há algum tempo e fiz este gorro com um padrão de ovelhas. No ínicio fiz alguma pesquisa sobre padrões com ovelhas mas não gostei especialmente de nenhum por isso decido fazer o meu próprio. Trabalhei com agulhas circulas tamanhos 5 e 6.


quinta-feira, 6 de fevereiro de 2014

As ruínas / The ruins
















Miguel showed me this house (and this street) in the middle of Cacém last weekend. The panels of tiles here are simply amazing. I can’t stop felling a bit melancholic watching such a rich place fall into ruin.


O Miguel mostrou-me esta casa (e esta rua) no meio do Cacém o fim-de-semana passado. Os painéis de azulejos são simplesmente fantásticos. Não consigo deixar de me sentir um pouco melancólica a ver um local tão rico a cair em ruínas.